Considerado o maior do país, Caminho Religioso da Estrada Real (CRER) vai de Caeté a Aparecida (SP), envolvendo 32 municípios mineiros e seis paulistas

Na última quarta-feira (9), a Secretaria de Estado de Turismo (Setur-MG) anunciou o lançamento do Caminho Religioso da Estrada Real, a maior rota de turismo religioso do Brasil, envolvendo 32 municípios mineiros e seis paulistas. Santa Luzia, contudo, a despeito de seu patrimônio histórico ligado ao catolicismo e de fazer parte do circuito da Estrada Real, ficou de fora.

A ausência significa perdas importantes para a cidade. O turismo religioso movimentou cerca de 15 bilhões de reais no Brasil em 2016, segundo dados do Ministério do Turismo. De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), 8,1 milhões de viagens domésticas no país são motivadas pela fé. A presença de Santa Luzia no roteiro impulsionaria diversos setores na cidade: comércio, serviços, artesanato e indústria, gerando emprego e renda para os luzienses.

De acordo com a Sacrum Brasilidades, empresa gestora do CRER, Santa Luzia ficou de fora do circuito por questões geográficas. A alegação é que os peregrinos não teriam ânimo de partir de Caeté, ir até Santa Luzia e depois seguir a rota até Sabará. A empresa sequer sabia, contudo, que Santa Luzia faz parte da Estrada Real.

A exclusão de Santa Luzia deixará de fora três importantes pontos turísticos históricos de Minas Gerais: a Igreja Matriz, que conta com obras de Mestre Ataíde em seu interior, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, erguida no século 18, e o Mosteiro de Macaúbas, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

OL - Foto Drone 04

Caminho Religioso

O lançamento oficial do Caminho Religioso da Estrada Real (CRER) será feito no II Salão Nacional do Turismo Religioso, que ocorrerá em Caeté, entre os dias 1º e 3 de setembro. Durante o evento será realizada a Romaria 550, que liga o Santuário Estadual Nossa Senhora da Piedade ao Santuário Nacional de Aparecida, em São Paulo, num percurso de mais de mil quilômetros. O nome Romaria 550 é uma referência aos 250 anos de peregrinação a Piedade e aos 300 anos de peregrinação a Aparecida.

A rota cruza os municípios mineiros de Caeté, Sabará, Raposos, Barão de Cocais, Nova Lima, Santa Bárbara, Rio Acima, Catas Altas, Itabirito, Mariana, Ouro Preto, Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, São Brás do Suaçuí, Entre Rios de Minas, Casa Grande, Lagoa Dourada, Prados, Tiradentes, Santa Cruz de Minas, São João del Rei, Carrancas, Cruzília, Baependi, Caxambu, São Lourenço, Pouso Alto, São Sebastião do Rio Verde, Itamonte, Itanhandu e Passa Quatro – e os paulistas Cruzeiro, Cachoeira Paulista, Canas, Lorena, Guaratinguetá e Aparecida.

Comments

comments