Até que o Tribunal de Justiça decida sobre o pedido, Roseli seguirá presa no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte

Nesta sexta-feira (8), a defesa da prefeita de Santa Luzia, Roseli Pimentel (PSB), entrou com  pedido ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para que a prefeita, presa no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte, cumpra o mandado de prisão preventiva expedido pelo desembargador Alexandre Victor de Carvalho em regime de prisão domiciliar. O pedido foi juntado aos autos do inquérito policial que tramita na 5º Câmara Criminal do TJMG. Roseli é investigada de participar do assassinato do jornalista Maurício Campos Rosa, ocorrido em agosto de 2016.

Ainda na sexta-feira, o TJMG enviou por e-mail cópia da decisão do desembargador para o presidente de Câmara de Santa Luzia, vereador Sandro Coelho (PSB), e para o vice-prefeito Fernando César (PRB). De acordo com a decisão, a suspensão do exercício da função pública de Roseli se deu porque a investigada “ao tudo que indica, vem utilizando o cargo de prefeita e a estrutura do município para prejudicar as investigações e a devida colheita de elementos informativos”.

A prefeita e os demais investigados, Alessandro de Oliveira Souza, Paulo César Florindo de Almeida, David Santos Lima e Gustavo Sérgio Soares Dias foram indiciados formalmente pelos crimes de homicídio qualificado (artigo 121, parágrafo 2º, incisos I e IV do Código Penal) e peculato (artigo 312 do Código Penal).

Foto: Jornal O Tempo

Comments

comments